top of page

+55 (21) 99006-5250

secretaria@cejaa.com

Rua Dois de Dezembro, 38
sala 107 - Flamengo - Rio de Janeiro 

  • Foto do escritorCejaa

O mito de Oxumaré: o duplo e a síntese

Dirciara Barañano Souza


RESUMO: O povo brasileiro é atravessado e influenciado por várias culturas e, entre elas, a forte presença da cultura africana, que integra a história dessa nação. Neste artigo, o objetivo é dialogar com a figura mítica de Oxumaré pelo viés epistemológico da psicologia analítica de Carl Gustav Jung, visto que os deuses são potências psíquicas ou arquetípicas com força extraordinária, sendo modos de ser e funcionar que habitam o inconsciente coletivo, metáforas para núcleos de fantasias da psique. Enquanto relevância, sinaliza-se nos mitos iorubás narrativas que se constituem como referências de metáforas para entendimento da sociedade contemporânea e, consequentemente, de cada indivíduo na sua particularidade. Assim, a configuração arquetípica de Oxumaré liga-se a temas da atualidade, como a corrida desenfreada pela juventude e beleza, que culmina numa cultura do antienvelhecimento, disfarçada pelo nome de harmonização e que contradiz, e pode diluir, pautas ligadas a importância da ancestralidade. 

Palavras-chave: Mitologia; Psicologia analítica; Religião; Espiritualidade.






36 visualizações0 comentário

Comentários


bottom of page